Imagem de Fundo
Área do Condômino

Saiba como ficará o Imposto de Renda se a tabela for corrigida pela inflação

O reajuste da tabela de Imposto de Renda pela inflação, cogitado pelo presidente Jair Bolsonaro neste domingo, elevaria em R$ 76,92 o teto da faixa salarial isenta, para R$ 1.980,90. O cálculo considera a projeção de 4,04% para a inflação oficial, o índice IPCA, dos economistas ouvidos pelo boletim Focus, do Banco Central (BC).

Já no caso da faixa sobre a qual incide a maior alíquota, a de 27,5%, o piso aumentaria em R$ 188,45, passando a valer para todos que ganham acima de R$ 4.853,13. (Veja abaixo a tabela completa).

Especialistas consideram que correção aventada por Bolsonaro atenuaria a defasagem acumulada pela tabela do IR diante da inflação, que é de 95,46% nos últimos 22 anos, segundo cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional). Caso a tabela de IR fosse corrigida integralmente desde 1996, os contribuintes que ganham até R$ 3.689,93 por mês seriam isentos do imposto, em vez de um teto de R$ 1.903,98, como há hoje.

O QUE MUDARIA NO IRPF COM CORREÇÃO

Se o governo decidir corrigir a tabela do Imposto de Renda em 2020, as faixas de renda nas quais se aplicam as alíquotas mudariam e mais brasileiros ficariam isentos.

Como é hoje

Até R$ 1.903,98 - isento

De R$ 1.903,99 até R$ 2.826,65 - alíquota de 7,5%

De R$ 2.826,66 até R$ 3.751,05 - alíquota de 15%

De R$ 3.751,06 até R$ 4.664,68 - alíquota de 22,5%

Acima de R$ 4.664,68 - alíquota de 27,5%

Como ficaria*

Até R$ 1.980,90 - isento

De R$ 1.980,91 até R$ 2.940,85 - alíquota de 7,5%

De R$ 2.940,86 até R$ 3.902,59 - alíquota de 15%

De R$ 3.902,59 até R$ 4.853,13 - alíquota de 22,5%

Acima de R$ 4.853,13 - alíquota de 27,5%

*Reajustada com base na projeção de 4,04% para a inflação este ano, que consta do Boletim Focus, do Banco Central

Fonte: Sindifisco Nacional

— A base de incidência dos impostos evolui naturalmente porque a renda das pessoas sobe todo ano, pelo menos acompanhando a inflação. Pela mesma lógica do aumento da renda, a tabela do IR também deve acompanhar a inflação — contextualiza Raul Velloso, economista especialista em contas públicas: — Toda correção é melhor do que nenhuma.

No entanto, a mudança levaria à perda de arrecadação pelo governo, justamente em um momento de fragilidade fiscal. Espera-se que o país registre déficit fiscal pelo menos até 2022, e o governo prepara novo contingenciamento para o fim do mês, depois de ter bloqueado R$ 29,8 bilhões do Orçamento em março.

— Com o reajuste da tabela de IR, o contribuinte passará a pagar menos e, consequentemente, o governo arrecadará menos. O que acredito é que o presidente está confiante que a reforma da Previdência será aprovada este ano. Desta forma, caso assim seja, em 2020 ele terá realmente como fazer estas medidas — disse o economista Luiz Roberto Cunha, economista e professor da PUC/RJ.

Cunha ressaltou que, caso a reforma não passe e a economia continue em recuperação lenta, a entrada em vigor da correção da tabela de IR pode agravar o quadro fiscal.

Luiz Benedito, diretor do Sindifico Nacional, ponderou, porém, que a renúncia fiscal seria pequena com o reajuste da tabela. Desde 2015 ela não é atualizada. Naquele ano, em mensagem enviada ao Congresso, o Executivo estimou em R$ 6,46 bilhões por ano o impacto fiscal do reajuste, que foi de percentual diferente para cada uma das faixas de arrecadação. Na média, a atualização daquele ano foi de 5,6%.

— Reajustar a tabela pela inflação deste ano certamente teria impacto fiscal menor do que em 2015, dada a magnitude do reajuste. É muito pouco diante dos cerca de R$ 154 bilhões que a Receita arrecadou com IR de pessoas físicas em 2017 — estimou Benedito: — A atualização das faixas pelo menos faria com que a defasagem parasse de crescer.

Segundo a especialista em contas públicas e professora do Coppead/UFRJ Margarida Gutierrez, a correção coloca o IR em um patamar neutro:

— Os governos anteriores, ao não reajustar a tabela, optaram por aumentar a base impositiva do imposto. Ao querer fazer esse reajuste, o governo sinaliza que não vai buscar aumentar a arrecadação por meio desse tributo. Agora, ir além da neutralidade seria adotar uma política de menos arrecadação, e não há qualquer espaço fiscal para isso.

Fabio Klein, analista de finanças públicas da da Tendências Consultoria, vê espaço fiscal para a mudança na tabela. Embora pondere que o Brasil não conseguirá um superávit primário antes de 2023, ele não acredita que a medida desequilibre a trajetória fiscal já esperada para o ano que vem.

— É claro que, quanto mais receita você tiver, melhor. Mas, se pensarmos em termos de meta para resultado primário e regra do teto de gastos, não há grande risco para que o descumprimento das duas este ano. Além disso, o reajuste da tabela está previsto para o ano que vem, quando, espera-se, a economia deve crescer mais do que em 2019, reduzindo o impacto fiscal da medida — disse.

Fonte: google.news | 13/05/2019

Contac Contabilidade SS - Av. Oeste, nº 319
St. Aeroporto - Goiânia GO  |  CEP 74.075-110
Fone 62. 3240 0400  |  comercial@contacnet.com.br  |  CRC/GO 882

Desenvolvido pela TBrWeb
(XHTML / CSS)